Idade Materna Elevada

Indicações para o Exame
(clique aqui para ver as indicações ou clique no tópico abaixo para maiores informações)

Idade materna elevada
(acima dos 35 anos)

Anormalidade fetal na gravidez
(inclui translucência nucal aumentada)

Translocação cromossômica no casal

Criança prévia com doença genética

História de perdas fetais

Perda fetal na gravidez atual

 

Os riscos de um bebê vir a ter problemas genéticos existem em toda gravidez, mas alguns aumentam com a idade da mãe e são diagnosticáveis antes do nascimento. No grupo dos problemas diagnosticáveis estão as alterações no número ou estrutura dos cromossomos. O risco do bebê ter problemas causados pela presença de um cromossomo a mais (trissomia), especialmente a trissomia 21 (que causa a síndrome de Down) aumenta significativamente com a idade materna, como mostra o gráfico ao lado.

Para assistir filmes relevantes na TV GENE, clique aqui .

O diagnóstico pré-natal é um exame simples, seguro e confiável que permite o diagnóstico da síndrome de Down e outras doenças cromossômicas ainda durante a gravidez. Na maioria dos casos o resultado é normal, tranquilizando as famílias e permitindo uma gravidez sem ansiedades.

Dados epidemiológicos demonstram uma relação direta entre a idade da mulher na ocasião do parto e o nascimento de crianças portadoras de anomalias cromossômicas (aneuploidias). Estes nascimentos são apenas a ponta de um iceberg , já que sabemos que a grande maioria dos fetos com cromossomopatias evoluem para o óbito intra-uterino. Embora não exista nenhuma idade materna isenta de riscos para cromossomopatias, tem sido aceito que a idade igual ou superior a 35 anos por ocasião do parto caracteriza uma situação de risco aumentado. A escolha desta idade foi baseada na avaliação de riscos e benefícios clínicos e econômicos dos métodos empregados. Entretanto, ela não deixa de ser arbitrária. Nós recomendamos que o diagnóstico pré-natal seja oferecido a toda gestante que tiver idade igual ou superior a 35 anos na data provável do parto. Em gestantes entre 30-35 anos o diagnóstico pré-natal deve ser considerado e realizado se a paciente demonstrar ansiedade e solicitar o procedimento. Em pacientes abaixo de 30 anos não há indicação para diagnóstico pré-natal a não ser que existam fatores de risco específicos da paciente ou da família. O gráfico apresenta os riscos numéricos relacionados à idade materna por ocasião do parto e em relação à idade gestacional, no momento da realização do exame.

Deve ser notado que o aumento da idade paterna não está associado a uma maior freqüência de cromossomopatias fetais. Entretanto, um aumento de mutações autossômicas dominantes foi demonstrado em crianças nascidas de homens acima de 50 anos. Assim, nestes casos, está indicada a ultra-sonografia de alta resolução com estudo anatômico e biométrico do feto.